ABIMCI - Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente

Madeira serrada do Brasil mantém isenção fiscal nos Estados Unidos

Defesa realizada pela Abimci garante benefício da isenção por mais cinco anos

Após sete meses de trabalho, seguindo todos os protocolos exigidos pelo governo dos Estados Unidos, a Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci) recebeu decisão favorável do governo americano quanto ao pedido de revisão da isenção fiscal para a madeira perfilada de coníferas (HTSUS 4409.10.05) dentro do Sistema Geral de Preferência dos EUA (SGP). Na prática, significa que as exportações brasileiras desse produto continuarão a ser realizadas para o mercado americano sem a incidência de imposto de importação por mais cinco anos. Caso não fosse obtida a renovação do benefício, a alíquota seria de 3,2% sobre o produto. O parecer foi divulgado na última sexta-feira, 30.

Na avaliação do presidente da Abimci, José Carlos Januário, a decisão é uma vitória para a indústria da madeira brasileira. “Mostra a representatividade do setor e da instituição diante de um dos nossos principais mercados compradores”, afirma. A defesa apresentada pela associação baseou-se em argumentos como a importância da isenção da taxa para que pequenas e médias empresas continuem a ter acesso ao mercado norte-americano e não cessem suas atividades, garantindo a geração de empregos e renda mesmo em um momento delicado da economia brasileira.

Diante da importância dos negócios com os norte-americanos para o setor de madeira do Brasil, a Abimci tem atuado de forma intensa para criar condições mais favoráveis de geração de negócios às empresas associadas. Em visita recente aos Estados Unidos, a entidade cumpriu uma série de agendas junto ao Departamento de Comércio Americano e ao órgão responsável pela gestão do SGP. O objetivo da Associação é garantir a isonomia competitiva e acesso a esse mercado nas mesmas condições que os principais países concorrentes.

A Associação ressalta que o processo de defesa do produto brasileiro contou com apoios de instituições como Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Conselho Empresarial Brasil-Estados Unidos (CEBEU), Confederação Nacional da Indústria (CNI), empresas associadas e órgãos do governo federal.

Fonte: Assessoria de Imprensa Abimci – Interact Comunicação

Voltar ao topo