ABIMCI - Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente

Palestra apresenta projeto britânico de arranha-céu de 80 andares em madeira

Projeto do Oakwood Timber Tower foi desenvolvido para a cidade de Londres, na Inglaterra

Os detalhes do projeto Oakwood Timber Tower, um arranha-céu de 80 andares em madeira, foram apresentados na noite desta quarta-feira (20) para empresários, engenheiros, arquitetos e profissionais das indústrias madeireira e da construção em Curitiba. O engenheiro britânico Robert Foster, que faz parte da equipe que desenvolveu o projeto, ressaltou os benefícios do uso da madeira durante uma palestra promovida pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) e a Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci). O evento integrou a programação da Semana Internacional da Madeira.

O projeto do edifício de 80 andares foi concebido para Londres, em uma das regiões mais tradicionais da capital britânica e aproveitando uma área onde existe um condomínio na zona residencial do Barbican.

Foster, que esteve pela primeira vez no Brasil especialmente para proferir esta palestra, destacou as inovações na área da construção com madeira. Atualmente, o prédio mais alto construído com este tipo de material tem 14 andares, na Noruega. Recentemente, no Canadá, construiu um edifício de 18 andares em madeira.

“A grande inovação do Oakwood Timber Tower é a escala do projeto. Estamos apenas usando a tecnologia já existe em uma escala muito maior do que foi usada até hoje. Juntamos grandes designers, arquitetos e engenheiros para resolver um problema. Tudo começou com um papel em branco, e não seguindo o que já havia sido feito em prédios de madeira. Fizemos uma série de estudos, como de propriedades do material”, salientou o engenheiro, em entrevista para a equipe do Portal Madeira e Construção.

O engenheiro britânico ressaltou os benefícios do uso da madeira, como a menor entrega de materiais no canteiro de obras, menos tempo de serviço, durabilidade e resistência, além da sustentabilidade. Ele apresentou dados indicando que alguns tipos de madeira são mais resistentes do que o aço. “Não estamos dizendo que um prédio de madeira de 80 andares será construído amanhã, mas com certeza vai influenciar como as pessoas constroem. Já tivemos bastante repercussão, depois da divulgação das imagens do projeto, e manifestações de pessoas que querem construir com madeira. Talvez não os 80 andares, mas um prédio com madeira”, conta Foster.

Ainda neste sentido, em sua palestra, ele fez uma comparação com o intervalo entre o primeiro prédio de 10 andares, construído em 1884, e a construção do Empire State Builing em 1930 e com 102 andares. Em apenas meio século foi possível este imenso avanço na construção civil e, por isto, Foster acredita que a construção efetiva de arranha-céus em madeira pode acontecer mais rápido do que se pensa. Especialmente porque já existe tecnologias estabelecidas que poderiam “encurtar” este intervalo.

“Não tenho estimativas de construção deste prédio específico (Oakwood Timber Tower) e não particularmente na localização que indicamos no projeto em Londres. Mas penso que, nos próximos anos, veremos edifícios maiores do que temos até o momento”, avalia Foster.

Robert Foster é PhD em Engenharia Estrutural, pela Universidade de Cambridge; formado nas Engenharias Civil e Arquitetônica pela Universidade de Bath; graduado em Filosofia pela Universidade de Wales Cardiff. Em 2016, ganhou o prêmio RIBA President’s Award for Design and Technical Research.

 

Fonte: Joyce Carvalho para o Portal Madeira e Construção
Fotos Gelson Bampi/Agência Fiep

Voltar ao topo